Quando a esmola é demais, até o Santo desconfia, diz o provérbio. A regra aplica-se aos comuns mortais: leia sempre as letras pequeninas nos contratos das aplicações de poupança e desconfie quando a rentabilidade é muito superior à média do mercado. A DECO detectou vários casos de publicidade enganosa em aplicações de taxa crescente.





O boletim financeiro da DECO PROTESTE analisou 38 depósitos de taxa crescente e concluiu que, no último período, vários atingiram os 6%. No entanto, no primeiro ano todos renderam menos do que a inflação prevista para 2011 (3,6%) e menos que o depósito a 12 meses (3,7%). Ou seja, os seus valores estão abaixo da média transmitida pelos meios de publicidade (3,8%).

Segundo a PROTESTE POUPANÇA, há cerca de um ano, o Banco de Portugal introduziu uma legislação que proíbe a publicidade enganosa em relação aos depósitos. Contudo, vários anúncios continuam a contornar a legislação, usando expres¬sões como "até 6%", por exemplo, para captar a atenção do consumidor.

Apesar de legais, estas técnicas de marketing são enganadoras e podem contribuir para decisões de investimento menos acertadas, alerta a DECO.

Ainda de acordo com o boletim financeiro, os Certificados do Tesouro e as Obrigações do Tesouro são as melhores opções de poupança, uma vez que o rendimento já supera os 10% ao ano para quem mantiver até ao vencimento – três anos.

Para mais informações visite www.deco.proteste.pt





Fonte: iSabe