O INE revelou hoje que a economia portuguesa contraiu 0,7% no arranque de 2011. Foi o segundo trimestre de quebra do PIB.

A economia portuguesa registou uma contracção de 0,7% entre Janeiro e Março face aos três meses anteriores, revelou hoje a estimativa rápida do PIB do INE.





Está assim confirmada a recessão técnica de Portugal, ou seja, a ocorrência de dois trimestres seguidos com a economia a recuar, visto que nos últimos três meses de 2010, o PIB já tinha registado uma quebra de 0,6%, valor agora revisto em alta.

Esta evolução da economia portuguesa no arranque de 2011 revelou-se pior do que o previsto pelos economistas ouvidos pelo Diário Económico, e também pior do que o antecipado pelos peritos consultados pela agência Bloomberg, que esperavam uma quebra de 0,3% do PIB.

Quer isto dizer que quando os peritos da 'troika' chegaram a Portugal o País já se encontrava em recessão. Um cenário antecipado pelo governador do Banco de Portugal, Carlos Costa, já em Fevereiro, em entrevista ao Diário Económico. "Pode dizer-se que estamos em recessão económica", disse na altura Carlos Costa.

Os dados do INE mostraram também que o PIB de Portugal contraiu 0,7% em comparação com o primeiro trimestre de 2010, o que traduziu "um acentuado contributo negativo da procura interna, em resultado da diminuição das despesas de consumo final das famílias e das administrações públicas) e, em menor grau, do Investimento", explica o INE.

O documento adianta que o contributo das exportações se manteve elevado para a evolução homóloga do PIB no trimestre em análise.

Fonte: Económico