A certificação energética foi implementada em Portugal em Junho de 2007. O objectivo é simples: contribuir para reduzir o consumo de energia das famílias e, ao mesmo tempo, aumentar o conforto da habitação. Desde Janeiro de 2009 que, para arrendar ou vender um imóvel, o proprietário é obrigado a pedir o certificado energético.




No entanto, um estudo realizado pela Associação de Defesa do Consumidor (Deco) revelou que os peritos falham nas propostas de medidas de melhoria e nos procedimentos relativos à análise dos sistemas de climatização e aquecimento da águia, não seguindo o protocolo recomendado pela ADENE – Agência para a energia – na emissão de certificados.



O preço do serviço varia consoante a área da casa, a sua tipologia e o prazo de entrega do certificado. Assim sendo, convém o consumidor comparar as propostas, tendo em consideração o preço, o prazo de entrega, o modo de pagamento e a entrega dos relatórios adicionais.

1- Antes de escolher, verifique a oferta na zona de residência e faça uma pesquisa na internet. Pode ainda consultar a lista de peritos qualificados em www.adene.pt.

2- Guarde o documento que comprova as condições do perito e a factura de pagamento. Aliás, para tudo o que compra deve guardar sempre a factura. Nunca se sabe quando vai ter de usá-la.

3- Antes da visita tenha tudo pronto e não perca tempo. Reúna os documentos necessários, nomeadamente a caderneta predial e a planta do imóvel.

4- Peça identificação do perito na visita. Desta forma, tem certeza de quem vai enviar o pedido de certificado, caso contrário, apresente queixa.

5- Facilite o acesso ao perito de todo imóvel, para este poder fazer o levantamento.

6- Pergunte por medidas de melhoria e exponha as suas ideias – caso tenha algumas. Enquanto o perito está a fazer a visita, aproveita para discutir algumas das suas sugestões. Não espere pelo certificado para o fazer.

7- Peça uma versão prévia do certificado, para conferir os dados. Além disso, peça ao perito que lhe entregue um relatório de visita e outro com as medidas propostas de melhoria.

8- Reclame junto à ADENE. Se o certificado não incluir as medidas de melhoria, conter erros ou não lhe agradar, reclame junto à entidade reguladora. Neste caso será a ADENE.

Fonte: iSabe