O custo do resgate de 78 mil milhões a Portugal foi um dos temas fortes da conferência de imprensa da ‘troika’.

Poul Thomsen, chefe da delegação do FMI, foi o primeiro a avançar com números: Portugal pagará uma taxa de juro de 3,25% nos primeiros três anos e 4,25% a partir do quarto ano.





Do FMI advirão cerca de 26 mil milhões de euros do pacote global acordado em 78 mil milhões de euros. O resto chegará da União Europeia.

Falta saber os juros a cobrar por Bruxelas, que não está ainda definido. No entanto, Jürgen Kröger, chefe da delegação da UE, deu algumas pistas.

Primeiro disse que à taxa de financiamento do Fundo Europeu, no mercado, será somada uma "penalização um pouco inferior a 200 pontos base" mas "é algo que ainda não está decidido".

"O que posso dizer é que a taxa que cobramos à Irlanda serve de referência e aí a taxa era acima de 5%, mas era para um período de sete anos e meio, portanto são taxas que não são comparáveis", acrescentou o responsável europeu.

Segundo os analistas, só uma taxa entre 4,5% e 5% seria sustentável para Portugal conseguir cumprir as suas responsabilidades financeiras até 2014.

Fonte: Economico