Esta é a melhor altura para construir casa nova, saiba porquê. Mas manter e reparar casas está, no entanto, mais caro.




O índice de custos de construção de habitação nova no continente registou uma taxa de 2,2% em Fevereiro, menos 0,1 pontos percentuais face ao período homólogo, segundo dados hoje divulgados pelo Instituto Nacional de Estatística (INE).

Em termos de factores de produção, a componente materiais registou uma queda de 0,4 pontos percentuais para uma taxa de 2,4%. Por outro lado, a componente mão-de-obra aumentou 0,1 pontos para 2,1%, refere o INE.

Por tipo de construção, as componentes apartamentos e moradias registaram crescimentos homólogos de 2,3% e 2,2%, respectivamente.

Já o índice de preços de manutenção e reparação regular da habitação no continente aumentou para 2,4% em Fevereiro, mais 0,4 pontos percentuais ao valor registado em Janeiro.

“Esta aceleração do índice agregado resultou de acréscimos nas taxas de variação homóloga das componentes produtos e serviços de, respectivamente, 0,5 e de 0,4 pontos percentuais, que foram de 3,2% e 1,8% em Fevereiro”, segundo o instituto de estatísticas.

Neste período, todas as regiões do continente registaram aumentos homólogos do índice de preços de manutenção e reparação, destacando-se o Algarve, com uma subida de 5% e o Centro, com um crescimento de 3,7%.

O índice de custos de construção de habitação nova pretende medir a evolução do custo de construção de edifícios residenciais no continente. Trata-se de uma estatística que resulta da compilação de informação sobre preços dos factores de produção afectos à construção de edifícios habitacionais (preços de materiais de construção e salários de profissões da construção civil).

O índice de preços de manutenção e reparação regular da habitação, por sua vez, visa analisar a evolução do nível dos preços dos produtos e serviços relacionados com a despesa em manutenção e reparação regular dos alojamentos familiares.


Fonte: Económico/LUSA